sábado, 8 de setembro de 2012

APRENDER A APRENDER

 
Imagem graças a Rodrigo Baía
 
 
APRENDER A APRENDER
 

Honório de Medeiros
 

1) APRENDEMOS quando nos defrontamos com um problema, qualquer que seja ele; como lembra Popper, "cada problema surge da descoberta de que algo não está em ordem com nosso suposto conhecimento; ou examinado logicamente, da descoberta de uma contradição interna entre nosso suposto conhecimento e os fatos; ou, declarado talvez mais corretamente, da descoberta de uma contradição aparente entre nosso suposto conhecimento e os supostos fatos.."
 

a) ESSE problema pode ser inesperado (não por outra razão a sabedoria popular diz: “a necessidade é a mãe da invenção).
 

b) ESSE problema pode ser provocado:
 

b.1) QUANDO problematizamos as coisas e/ou os fenômenos (como disse Gaston Bachelard, “O conhecimento é sempre a reforma de uma ilusão”);
 

b.1.1) POR intermédio da contra-argumentação, utilizando o contraexemplo;
 

b.1.2) POR intermédio do uso da técnica jornalística: o quê, quem, quando, onde, por que e para quê.
 

2) QUALQUER problema é, antes de tudo, uma questão do espírito (intelectual), mesmo no trabalho puramente mecânico.
 

3) ELABORAMOS teorias que são soluções provisórias a serem testadas.
 

a) O teste dirá se erramos ou acertamos;
 

b) O erro nos ensina, posto que não precisamos mais trilhar o mesmo caminho já tentado.
 

4) SE aprendemos quando nos deparamos com um problema, há um conhecimento que o antecede e nos permite identifica-lo.
 

5) SE o conhecimento é retificável, é evolutivo, no sentido de que caminha sempre do mais simples para o mais complexo.
 

6) O conhecimento pode, então, ser compreendido como um “vir-a-ser” de complexidade cada vez maior.
 

7) A recusa em problematizar as coisas e/ou fenômenos conduz a neuroses. Aqui se compreenda essa recusa como uma fuga do problema com o qual alguém se defrontou.
 

8) O como dizemos a nós mesmos, ou aos outros, o que aprendemos é papel da Retórica: podemos ser convencidos ou seduzidos, convencer ou seduzir.
 

9) NÃO é possível comparar INFORMAÇÃO com CONHECIMENTO; quando conheço, estou informado, mas, nem sempre, quando estou informado, conheço. Posso estar informado de algo sem compreendê-lo.

2 comentários:

prentice disse...

Hum... Bem direto mesmo. Lendo esse texto "aprender a aprender" percebi que não utilizo essas premissas e atenção ao me deparar com um problema.

Obrigado, Honório. Por fazer esse texto capaz de mostrar um caminho que aponte para o horizonte de saber aprender da maneira correta.

zizi seabra disse...

De fato, se não abrimos nossas mentes para o que há de novo, nenhuma mudança acontecerá!! Obrigada pelo texto tão maduro!! Abraço.